terça-feira, 3 de janeiro de 2017

*A SEREIA



A Sereia

          Um canto ao longe, suave,
Vindo com as ondas do vento
Desperta no jovem alento
Na magia e encantamento.

Num trote ligeiro vai indo
Ultrapassa a areia deserta
Os olhos avistam já rindo
Uma visagem em oferta.

Mulher de uma rara beleza
Sentada com olhar distante
Encanta a visão do amante.

Prostra-se aos pés sem receio
No abraço o coração já refém
Submerge no mar, devaneio.


Sonia Nogueira

Um comentário:

  1. Parabéns Confreira,suas telas e sonetos retratam toda sua sensibilidade. Amei!

    ResponderExcluir